segunda-feira, 1 de março de 2010

Alegria e serpentina

Todo o dia chego em casa
Encontro eles com regularidade, crio fantasias e leio meu texto em provençal
Troco de roupa, tomo meu banho e faço minha comida
Eles fazem da minha vida um mundo de alegrias e carnaval

Coralie Clément toca no meu player digital, que bela
Me escondo atrás de rabiscos e livros para conter minha ansiedade ansestral
Fotos de rostos e moços, de caras e bocas, sorrisos e arrepios pintam minha tela
São eles que aparecem na imagem do meu cibernético vitral

Ao ver tais imagens, tais fotos batidas, aqueles pequenos retratos
Me vejo no meio de tanta gente cheia de vida, cheia de vontades
Quase não percebo quando estou com eles, por ali,por aqui, nos teatros
Não cabe dentro de mim a emoção de estar ao lado deles

Dizem que fazer parte dela é uma alegria
De vez em quando até distância quero deles, uma tentação
Formaram meu caráter desde criança com serpentina e fantasia
E me protegem das escolhas erradas, tentadoras e de frutração

Participam ativamente da minha vida, das minhas dúvidas e dos meus anseios
Por vezes, de tanto me ajudar, são chatos
Me abraçam e me acolhem nas gargalhadas e nas risadas
Mas por mero caso do descaso, eles acabam sendo sensatos

Pergunte-se quem são:
A mão que segura, o braço que fortifica, o acorde que afaga, a palavra que eu escuto
A mãe que ama, o irmão que acolhe, a cunhada que toca, o pai sábio
São eles senhores, a razão do entender o lado humano de uma vida

Como um carnaval que não tem fim
É a alegria, é a serpentina, é a maestria
Uma jornada de vida que sempre diz sim
Essa é minha família

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Contador de visitas